Associação Mato-grossense
das Defensoras
e Defensores Públicos

Acompanhe nossas mídias sociais

Defensor destaca quebra de paradigmas da DPMT por meio do projeto Conexão Solidária

Avatar de Dalila Rodrigues Por: Dalila Rodrigues

Publicado em 28/10/2021


Defensor destaca quebra de paradigmas da DPMT por meio do projeto Conexão Solidária

Terminou quarta-feira, 27, o 1º Congresso de Direito Agro-ambiental e Urbanístico promovido pela ESDEP/MT. O evento realizado de forma virtual discutiu temas de grande impacto social, urbanístico e ambiental. Na ocasião, outra pauta importante foi apresentada em debate pelo mediador do Congresso, o defensor público João Paulo Carvalho Dias, o atendimento humanizado aos vulneráveis por meio do projeto Conexão Solidária, organizado pela Associação Mato-grossense das Defensoras e Defensores Públicos (AMDEP).

Durante o debate sobre o papel da Defensoria Pública na efetivação dos direitos fundamentais, o defensor público João Paulo destacou a atuação do projeto Conexão Solidária da AMDEP, que compõe uma rede de assistência formada por voluntários da Defensoria Pública, organizações da própria sociedade e cidadãos comprometidos em levar a solidariedade, o acolhimento e a dignidade humana aos necessitados e às populações invisibilizadas aos olhos do Poder Público.

Em uma de suas intervenções durante as discussões desse importante tema, João Paulo Dias lembrou a importância da atuação dos Defensores Públicos para que às comunidades mais carentes recebam não apenas oportunidade de acesso à Justiça, aos serviços públicos básicos e o atendimento às suas necessidades orgânicas fundamentais e às ações afirmativas, mas, sobretudo, que lhes sejam garantidos integral respeito aos direitos humanos, à sua dignidade, as suas liberdades individuais, a sua autonomia cidadã assim como às suas expressões culturais e religiosas.

“Dentro do projeto Conexão, neste período, temos lutado muito por três princípios que é a consciência, a fraternidade e a tolerância. Me lembro de algo muito significativo, quando adentramos uma destas comunidades invisibilizadas, o que mais vemos, por exemplo, é o controle pelo Poder Religioso. Em nosso projeto, temos o frei franciscano Rodrigo da Silva Martins, que dialoga com todas as correntes religiosas locais, pois entende, assim como nós, que não existe fraternidade sem ecumenismo, sem o respeito, a tolerância e a integração”, salientou ele em uma crítica sobre o aumento de atos de intolerância, violência e discursos sectários contra outras matrizes de fé e expressões religiosas que não são cristãs.

Outro aspecto da quebra de paradigmas da atuação da Defensoria Pública junto às populações invisibilizadas citado por João Paulo Dias durante o congresso foi o da violência contra as mulheres durante a pandemia.  O defensor citou um caso que ocorreu na comunidade Terra Prometida, no qual uma mulher foi atropelada duas vezes pelo ex-companheiro e não sabia a quem recorrer e a Defensoria interviu proativamente para que a Justiça garantisse a imediata proteção e segurança à vida dela. “Este olhar empático, essa escuta ativa por parte da Defensoria Pública é fundamental para se romper o círculo da violência em todos os segmentos nestas comunidades invisibilizadas”, afirmou.

Quanto ao modelo de atuação das Defensorias Públicas, João Paulo Dias apontou alguns desafios a serem superados. “Um dos nossos grandes desafios é aprofundar ainda mais a fraternidade, a escuta, o consentimento e informação qualificada e sair dos gabinetes e ir para as comunidades. Sem conexão não há compaixão, não há um atendimento integral como juramos realizar. Espero que consigamos alcançar esse grau de comprometimento”, finalizou.

 

 


Compartilhe este texto

Fale Conosco

Onde estamos

Rua Carrara, nº 10 - Bairro Jardim Itália | Cuiabá - MT

(65) 3052-7337

contato.amdep@gmail.com